in

Estamos fazendo a nossa parte?

Uma breve reflexão

Não é incomum ver relatos nos grupos de pessoas descontentes com a cena Psychedelic trance, alguns criticam um determinado evento, outros generalizam e criticam tudo, mas a pergunta que não foi feita ainda: Eu faço a minha parte? Você sabe qual é a sua parte?

É notável que a Cena Psychedelic Trance vem crescendo e nos últimos anos com a ajuda das redes sociais foi uma explosão, mas com a grande entrada de novos frequentadores a quantidade de reclamações e pessoas desapontadas com a cena subiu proporcionalmente ao crescimento da cultura, não estou falando em qualidade nem em tamanho, erros ou acertos de crew´s.

Da década de 90 (Onde se tem relatos de Festas no Brasil) até hoje muita coisa mudou, outras evoluíram e algumas vem se perdendo. A cultura acolhedora do psychedelic sempre esteve de braços abertos igual uma mãe, para todos, independente da sua classe social, religião ou crença, a única regra sempre foi a música psicodélica e uma festa em transe com muitos amigos. Por outro lado estamos vendo várias pessoas que dizem apoiar a cena destruindo tal ideologia, muitas vezes até por não entender o seu papel perante essa grande comunidade.

Cabe a cada um que frequenta nossos eventos apoiar a cena regional do seu estado ou cidade, vamos lembrar que o Psy Trance se popularizou através dos pequenos eventos chamados de PVT (Private Parties) pequenas festas que apenas amigos próximos podiam ser convidados, onde o respeito, amor, união e a música se juntam e transformam simples festas em um rituais psicodélicos, esses momentos foram tão incríveis que a cena cresceu, se popularizou e virou o que conhecemos hoje.

Todo esse movimento só foi possível com o amor, pois todos que estavam ali, amavam o que faziam e faziam porque amavam, e o amor contagiou e cresceu.

Então caro leitor, a ajuda não começa quando compramos nosso convite antecipado. Sim devemos fazer isso, mas devemos apoiar todos: As Crew’s que se arriscam até juridicamente para fazer um evento acontecer, os dj´s que estão tocando ali por pouco ou nada, os artesãos e artistas que estão ali dedicando seu tempo com o coração cheio de energia e a maior gratidão do mundo, e por último mas não menos importante… o “STAFF” (trabalhadores) que fazem a festa funcionar. Esse é o dever de todos que acreditam na comunidade trance.

Cabe aos DJ´s , Produtores e promotores promover os eventos que vão participar, mas é incrível quando um Dj que não está no line compra o convite e aparece em um evento do amigo, e até mesmo ajude a divulgar, porque não? Valorizando o trabalho do próximo que está ali na mesma luta. Outra sensação incrível, é quando nos deparamos com outras Crew´s participando de eventos que não tem relação com os de sua organização, isso mostra a união que tanto empregamos na nossa ideologia e é realmente deprimente ver que os próprios frequentadores não valorizam um evento “só porque não teve envolvimento algum nele”.

Vemos hoje uma cena muito fragmentada onde parecemos competidores numa corrida em busca de um status que não existe, pessoas em busca de ter um império inexistente. Percebe-se que muitos eventos antes intitulados Trance, tiveram de migrar para outros segmentos. Muitos Dj´s que antes faziam sucesso, também tiveram que mudar de segmento quando as coisas não foram bem e quantas outras Crew’s apareceram e apenas sumiram, sabe por que? Por que maior que tudo, é o movimento. E independe quem seja que esteja organizando ou tocando sempre vai existir, o mais importante é o transe e essa música que faz você se auto-conhecer, evoluir e até mesmo curar.

Fica ao público dar valor ao que realmente tem valor: aos amigos, as organizações, aos artesões que estão tentando de alguma forma expandir a cultura (ajude-o e o apoie com certeza é especial para ele), isso faz toda a diferença.

Devemos lembrar que é mais que um dever não apenas em nossos eventos mas em todos os nossos dias de nossa existência: Respeitar o meio ambiente, ahh… muito mais que apenas respeitar, devemos zelar! Sermos patrulheiros da nossa mãe natureza, mas se você não tem isso como uma virtude, ao menos respeite nosso solo e jogue seu lixo no lixo.

Cada um fazendo um pouco e deixando de lado certos paradigmas que foram criados com o tempo sem a menor necessidade, com certeza irá fazer que nossa cena seja muito mais admirada por todos! Assim como nós hoje admiramos os eventos lá de fora do país.

Se você é como nós e acredita nessa comunidade, você precisa ajudar a mantê-la e isso depende de nós!

E você está fazendo sua parte?

Estamos todos conectados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...

0

Comentários

0 escreva algo

O que você acha?

FUPT – RADIO XAMÃ – 2009

Capa Shivax - 5 Músicas que marcaram minha vida

SHIVAX: 5 Festas Que Marcaram Minha Vida