Cogumelos Mágicos Duvidas Antes de Usar e Onde Comprar Cogumelo

Cogumelos Mágicos? Dúvidas Antes de Usar e Onde Comprar Cogumelo Desidratado

14 de outubro de 2021
5/5

ÍNDICE

Os cogumelos mágicos são ilegais no Brasil?

A psilocibina é uma substância proibida e controla pela Anvisa. Você NÃO deve isolar ou sintetizar essa substância, ou estará cometendo um crime.

Porém, há um vácuo legal em relação aos fungos que contém psilocibina: não existem leis que autorizem ou desautorizem o cultivo, porte, consumo ou distribuição de cogumelos mágicos para fins etnobotânicos e religiosos.

Portanto, os cogumelos mágicos não são ilegais no Brasil.

Fonte: mushbr.com

Onde Comprar Cogumelos Mágicos?

Natureza Sana

Natureza Sana

Cogumelos mágicos psilocybe Cubensis para estudos enteógenos, recreativos. Disponibilidade de cogumelos em cápsulas também para tratamentos alternativos de depressão, ansiedade, TDAH, tabagismo e outros. Disponibilizam para venda também rapé e aplicadores de rapé (kuripe) direto dos índios da Amazônia.
DESCONTO DE
com cupom
Use no carrinho de compras psychedelic psychedelic para ativar o desconto

Cogumelos mágicos Psilocybe cubensis com o preço mais barato do Brasil! A maior variedade de enteógenos, cogumelos cubensis, amanita muscaria, rapés, tabacos, óleos, produtos naturais e muito mais. A Kosmic Kombi é uma smartshop pioneira em levar a cultura dos enteógenos até a cena trance nacional.

Cogumelos Mágicos Shop

Biotecnologia, Amostras Botânicas. Plantas Sagradas para uso religioso ou coleção etnobotânica.

Sua Loja Aqui

Sua loja não está na lista?

Entre em contato conosco.

Cogumelos Mágicos possuem em sua composição uma substância psicoativa denominada psilocibina, e no organismo convertida em psilocina.

Receitas com Cogumelos

ChaMuiLok

Solução mágica: 0,5L água mineral, 80gramas de Cogumelos Frescos, polpa de ½ maracujá, 4 cravos da índia.

Preparo da Poção: em recipiente de louça, foi adicionado água e a quantidade de cogumelos frescos. Em fogo baixo, quando atingiu fervura, foi desligado e deixado em infusão. Acrescentou-se o maracujá, inclusive aquele pele branca, pois é rica em vitamina C, o que auxilia no processo de absorção da Psilocibina. Nada de doses alcoólicas. O maracujá e os cravos da índia ajudaram a disfarçar o gosto do chá, que ficou com cor clara, na qual, observado por Mon-A, achara duvidoso, pois conhecia chá escuro. Mon-A admirou o sabor da bebida, nunca antes provada por ele com gosto tão bom, disse. Logo, separou-se o líquido, coloca-se o resíduo sólido (cogus e maracujá) novamente ao fogo, desta vez com 150ml de água, aí deixa ferver uns 4min. Coa-se a solução com pano, e espreme-se os restos, pra dentro do chá. Espremendo os restos, aumenta-se a potência do chá. Foi acondicionado em garrafa plástica, enquanto esfriava.

Fonte: Teonanacatl.org

Teonanacatl.org

Chá de cogumelo alucinógeno

Como dito, o chá de cogumelo alucinógeno é o mais conhecido pela população, tanto para quem já fez uso dele, como para quem não fez. De fato, o chá de cogumelo está sempre ligado ao efeito de droga no dito popular.

 

E de fato boa parte dos cogumelos e seus respectivos chás têm essa função mesmo. Aproximadamente 150 tipos de cogumelos são alucinógenos quando tomados em forma de chá ou ingeridos de outra forma.

O chá é a forma mais utilizada pois líquidos são rapidamente absorvidos pelo organismo, o que provoca um efeito muito mais rápido do que quando comidos pois, nesse caso, é necessário esperar pela digestão.

Os cogumelos alucinógeno apresentam uma substância chamada psilocibina e é ela que faz todo o efeito da droga que ataca diretamente o cérebro.

O chá de cogumelo nesse caso provoca diversos tipos de alucinações, não sendo incomum que as pessoas sintam o “gosto de uma cor” ou enxergue os sons de uma música.

Isso acontece pois o cérebro faz conexões diferentes das habituais, embaralhando os sentidos e pensamentos.

Da mesma forma, não é difícil conectar a parte visual com a parte do cérebro responsável pelas lembranças ou medos, podendo a pessoa enxergar alguém que já faleceu, ou enxergar algum grande medo seu (tipo um fantasma assustador de um filme).

Assim como é possível escutar sons e cheiros inexistentes que são ativados pela memória.

O chá de cogumelo de cunho alucinógeno também pode causar ataques de pânico repentinos, que podem levar a pessoa inclusive ao óbito caso já sofra de algum outro problema, como pressão alta ou problemas cardíacos.

Em muitos casos, isso está ligado às alucinações ou paranoias que se tornam mais intensas com o chá.

Além disso, é importante frisar que essas alterações feitas no cérebro podem ser permanentes mesmo após apenas uma utilização do chá de cogumelo.

Isso acontece pois as sinapses do cérebro podem encontrar caminhos diferentes e se alterarem de forma definitiva.

Ou seja, mesmo após passar o efeito alucinógeno do chá, formas diferentes de pensar e agir podem se tornar permanentes. Por exemplo, transformar uma pessoa calma em agressiva.

Algumas Dicas

A fim de tornar possível a qualquer pessoa passar por uma experiência com cogumelos semelhante às que registro por aqui, arrolarei a seguir procedimentos de preparo dos mesmos para consumo imediato, e também de conservação e armazenamento, para consumo num longo prazo. As orientações aqui apresentadas referem-se única e exclusivamente ao cogumelo da espécie Psilocybe cubensis. Fungos do gênero Panaeolus, e Amanita, por exemplo, devem receber cuidados diferentes. Atente-se a este fato. Com base em minhas experiências particulares, declaro que os métodos abaixo são eficientes, e totalmente seguros, desde que, claro, sejam observados cuidados especiais com relação às condições psíquicas-psicológicas, e fisiológicas, de quem pretende ingerir os cogumelos, assim como suas pré-disposições mais íntimas, suas motivações, objetivos, e expectativas pessoais. Não me responsabilizo pela não-observância a algum ou a nenhum destes fatores. Seja responsável por si e consciente de o que está fazendo.

Como Consumir / comer cogumelo

Métodos de ingestão de Cogumelos

Cogumelo Mágico vicia? É proibido?

Não é proibido para fins estritamente ritualísticos e religiosos.

Resposta longa:

(Este texto foi retirado deste forum na internet)

Na verdade existem os 2 lados da moeda, acredito que depende muito da interpretação do juiz neste caso. Não existe nenhuma lei que proíba ou autorize o cultivo de cogumelos. A Psilocibina é uma substância proibida, mas não tem como proibir a vaca de deslizar o moreno no pasto, então essa lei se aplica para extração e síntese da substância. Mas também tem o fato de ser um fungo e não uma planta, nada se diz sobre os fungos. No caso nada se diz de cultivo indoor, porém a decisão de um juiz seria obvio que aplicaria a sentença pelo fato de estar cultivando para extrair futuramente. Acredito que se você tiver um ótimo advogado para argumentar a respeito de tudo isso salva, mas no Brasil o que não pesa é para o usuário, em grandes quantidades provavelmente não tem desculpa.

Vale lembrar que, assim como a ayahuasca, várias espécies de cogumelos mágicos são parte essencial dos rituais religiosos de várias culturas nativas da África e das Américas.

Há registros de seu uso por habitantes de cavernas no atual território da Argélia há algo entre 7 mil e 9 mil anos atrás.

No Brasil, de acordo com a Lei nº 11.343/06, o uso dessas substâncias não é proibido se elas forem usadas para fins estritamente ritualísticos e religiosos.

O que são esporos de cogumelos?

Os esporos são células haplóides (n) que germinam formando o micélio, que por sua vez se diferencia na estrutura de reprodução às vezes macroscópica como os cogumelos (basidiomas).

Como Fazer Carimbo de Esporos

O carimbo de esporos é utilizado na confecção de solução para cultivo.

Mais informações no video a seguir:

Quanto tempo dura um carimbo de esporos?

Lacrados hermeticamente (em sacos zip-lock) os esporos são germináveis por aproximadamente 1 ano. É recomendável armazenar os esporos em um lugar escuro, limpo a temperatura ambiente.

Cogumelos Mágicos e LSD

Psicodélicos como LSD e cogumelos mágicos podem melhorar o humor de uma pessoa, fazê-la se sentir mais conectada a outras pessoas e gerar experiências transformadoras, descobriram os cientistas que conversaram com mais de mil frequentadores de festivais.

A equipe passou quatro anos coletando dados de 1.242 pessoas que participaram de seis festivais de artes e música de vários dias nos EUA e no Reino Unido para aprender os efeitos das drogas, explica a co-autora do estudo, Molly Crockett, professora assistente de psicologia da Universidade de Yale.

Pesquisadores montaram um estande no festival chamado “Play Games for Science”, para atrair transeuntes. Aqueles que concordaram em participar foram questionados sobre seus hábitos de beber e consumir drogas, incluindo se haviam usado drogas psicoativas, incluindo LSD e psilocibina – comumente conhecidas como cogumelos mágicos – nas últimas 24 horas ou em algum momento da semana passada.

Os voluntários tiveram certeza de que não seriam denunciados à polícia por serem honestos sobre o uso de drogas.

Os participantes foram convidados a perguntas, incluindo se eles tiveram uma experiência transformadora depois de tomar psicodélicos. Isso envolveu uma mudança “tão profunda” que eles emergiram “radicalmente diferentes” em si mesmos. Os sujeitos também fizeram testes para medir a conexão com os outros e se os medicamentos tiveram um efeito positivo no humor. Os resultados foram publicados na revista Proceedings da National Academy of Sciences.

Tomar substâncias psicodélicas estava ligado a pessoas que experimentavam um humor positivo, associado a experiências transformadoras e à sensação de que haviam se conectado com outras pessoas. “Esses efeitos foram particularmente pronunciados para aqueles que tomaram substâncias psicodélicas nas últimas 24 horas (comparadas à semana passada)”, escreveram os autores.

Em estudos anteriores, os pesquisadores observaram como as pessoas respondem aos psicodélicos em ambientes controlados de laboratório e fizeram descobertas semelhantes, disse Crockett. Porém, os estudos de laboratório são limitados porque envolvem um número menor de pessoas, e os participantes sabem que estão participando de um estudo, o que pode influenciar sua experiência e como eles a relatam, explicou ela.

“Ao pesquisar um número muito grande de pessoas sobre seu uso psicodélico recente em um cenário naturalista, fomos capazes de corroborar descobertas anteriores de estudos de laboratório, o que sugere que essas descobertas são consistentes em diferentes contextos”, disse ela.

Crockett acrescentou que o estudo é limitado porque os pesquisadores confiam nos participantes que relatam com precisão quais substâncias tomaram recentemente e, portanto, não conseguiram verificar exatamente o que tomaram, ao contrário dos estudos de laboratório, que têm controle rígido sobre a administração de substâncias. Mas como seus resultados foram consistentes com os de estudos anteriores de psicodélicos, a equipe acredita que as respostas dos participantes foram válidas.

O estudo não foi projetado para medir efeitos negativos que foram associados ao uso de drogas recreativas, disse Crocket. “Mais pesquisas são necessárias para entender como minimizar os riscos associados às substâncias psicodélicas”, disse ela.

Crockett lembrou que a parte mais desafiadora da pesquisa foi a instalação de laboratórios temporários em locais de campo, muitos dos quais em locais remotos.

“Em um festival, descobrimos um erro em nossos pacotes de pesquisa impressos na noite anterior à coleta de dados. Como não tivemos tempo para reimprimi-los, corrigimos o erro manualmente em centenas de pacotes, à luz de lanternas, com profundidade profunda. casa batendo no fundo “, disse ela.

Crockett enfatizou que o estudo “não sugere nenhuma recomendação para indivíduos. Certamente não estamos endossando o uso recreativo de drogas”.

Ela continuou: “Nosso estudo adiciona uma base crescente de evidências de que tomar psicodélicos pode levar a experiências transformadoras, em parte mudando a maneira como as pessoas experimentam a si mesmas em relação a outras pessoas.

“São necessárias mais pesquisas para entender melhor a natureza das experiências transformadoras em psicodélicos, como elas mudam os conceitos de si e dos outros e como otimizar seu impacto no bem-estar, minimizando os riscos”.

O estudo ocorre em meio ao que é conhecido como o renascimento psicodélico, enquanto pesquisadores de todo o mundo investigam os benefícios potenciais do uso de drogas psicodélicas em ambientes médicos controlados para tratar distúrbios mentais como depressão, ansiedade e TEPT. As drogas sob os holofotes incluem LSD e cogumelos mágicos, além de MDMA, ayahuasca e peiote ibogaína.

Os cientistas também estão investigando o uso da cetamina, que é um anestésico e não um alucinógeno. Especialistas enfatizam que os medicamentos não devem ser usados fora do ambiente clínico, sem a supervisão de um profissional médico.

Robin Carhart-Harris, chefe do Centro de Pesquisa Psicodélica do Imperial College de Londres, no Reino Unido, que não trabalhou no estudo, disse à Newsweek que não ficou surpreso com os resultados, pois refletem as descobertas de estudos existentes. Mas ele disse que ficou impressionado com a quantidade de dados que os pesquisadores coletaram.

“Eles têm implicações nos esforços para abrir a aplicação terapêutica dos psicodélicos em benefício da saúde mental”, disse ele. “Como a grande amostra estudada aqui não se restringia ao mal-estar mental, os resultados têm implicações na extensão da terapia psicodélica para pessoas saudáveis também, por exemplo, para melhorar o bem-estar psicológico”.

Carhart-Harris disse que os pesquisadores devem ver o estudo como uma evidência adicional para revisar quaisquer preconceitos sobre psicodélicos de que eles são drogas particularmente perigosas ou perigosas: “No entanto, essa é uma advertência importante, além do simples fato de que os psicodélicos provavelmente foram levados em um festival. Nesse cenário, o presente estudo não isolou o papel de fatores contextuais específicos, como confiança interpessoal no momento do uso, expectativas ou intenções de uso, que sabemos ser muito importantes para prever como as pessoas respondem aos psicodélicos “.

Carhart-Harris enfatizou: “Seria errado supor a partir dessas descobertas que, se você tomar psicodélicos em um festival, terá um ótimo tempo e melhorará seu bem-estar mental no processo”.

É necessário mais trabalho para prever como as pessoas podem responder aos psicodélicos em diferentes contextos para mitigar os riscos e tornar os benefícios potenciais mais confiáveis.

Texto traduzido de: News Week

Psilocina (4-HO-DMT) é um composto aromático, às vezes também citado, embora erroneamente, como psilocine, psilocyn ou psilotsin. É um alcaloide presente nos cogumelos alucinógenos. É encontrado na maioria dos cogumelos alucinógenos juntamente com a psilocibina, sua contrapartida fosforilada.

Resultando em efeitos semelhantes aos do LSD, porém mais leves e de duração muito mais curta.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Procuramos escritores de conteúdo

Você tem uma história que acha que faria bem no Psy Brasil? Você é um escritor de ciências ou drogas que deseja enviar um artigo?

Se você está fazendo pesquisas no campo dos psicodélicos e gostaria de participar do programa, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco e nos dizer o que você está fazendo!

Nossos tópicos: Plantas psicodélicas e curativas, Arte, Sabedoria, Evolução, Estudos da mente, Universo, Festivais, Ciência, Música e outros.