Lista de Músicas Eletrônicas

A Divina Comédia: Dante Alighieri

Detalhes:

A Divina Comédia propõe que a Terra está no meio de uma sucessão de círculos concêntricos que formam a Esfera armilar e o meridiano onde é Jerusalém hoje, seria o lugar atingido por Lúcifer ao cair das esferas mais superiores e que fez da Terra Santa o Portal do Inferno. Portanto o Inferno, responderia pela depressão do Mar Morto, onde todas as águas convergem, e o Paraíso e o Purgatório seriam os segmentos dos círculos concêntricos que juntos respondem pela mecânica celeste e os cenários comentados por Dante, num poema envolvendo todos os personagens bíblicos do Antigo ao Novo Testamento, que são costumeiramente encontrados nas entranhas do Inferno sendo que os personagens principais da Divina Comédia são o próprio autor, Dante Alighieri, que realiza uma jornada espiritual pelos três reinos do além-túmulo, e seu guia e mentor nessa empreitada, Virgílio – o próprio autor da Eneida.

Teorias sobre a influência da filosofia islâmica:

Em 1919, Miguel Asín Palacios, um estudioso espanhol e sacerdote católico, publicou La Escatología musulmana en la Divina Comedia (Escatologia Islâmica na Divina Comédia), um relato de paralelos entre a filosofia islâmica inicial e a Divina Comédia. Palacios argumentou que Dante derivou muitas características e episódios sobre o além a partir dos escritos espirituais de Ibn Arabi e do Isra e Mi’raj ou a jornada noturna de Maomé para o céu. Este último é descrito no ahadith e no Kitab al Miraj (traduzido para o latim em 1264 ou pouco antes[10] como Liber Scalae Machometi, “O Livro da Escada de Maomé”), e tem semelhanças significativas com o Paradiso, como as sete partes da divisão do Paraíso, embora isso não seja exclusivo do Kitab al Miraj ou da cosmologia islâmica.[11]

Algumas “semelhanças superficiais”[12] da Divina Comédia ao Resalat Al-Ghufran ou Epístola do Perdão de Al-Ma’arri também foram mencionadas neste debate. O Resalat Al-Ghufran descreve a jornada do poeta nos reinos da vida após a morte e inclui o diálogo com as pessoas no Céu e Inferno, embora, ao contrário do Kitab al Miraj, haja pouca descrição desses locais[13], e é improvável que Dante fez empréstimo deste trabalho.[14][15]

Dante, no entanto, viveu em uma Europa de substancial contato literário e filosófico com o mundo muçulmano, encorajado por fatores como o averroísmo (“Averrois, che’l gran comento feo” Commedia, Inferno, IV, 144, significando “Averróis, que escreveu o grande comentário”) e o patrocínio de Alfonso X de Castela. Dos doze sábios que Dante encontra no canto X do Paradiso, Tomás de Aquino e, mais ainda, Siger de Brabante foram fortemente influenciado pelos comentaristas árabes sobre Aristóteles.[16] O misticismo cristão medieval também compartilhava a influência neoplatônica dos sufis, como Ibn Arabi. O filósofo Frederick Copleston argumentou em 1950 que o respeitoso tratamento de Dante a Averróis, Avicena e Siger de Brabante indica seu reconhecimento de uma “considerável dívida” para com a filosofia islâmica.[16]

Embora essa influência filosófica seja geralmente reconhecida, muitos acadêmicos não ficaram satisfeitos com o fato de Dante ter sido influenciado pelo Kitab al Miraj. O orientalista do século XX Francesco Gabrieli expressou ceticismo em relação às alegadas semelhanças, e à falta de evidência de um veículo através do qual poderiam ter sido transmitidas a Dante. Mesmo assim, enquanto rejeitava a probabilidade de algumas influências postuladas no trabalho de Palacios,[17] Gabrieli admitiu que era “pelo menos possível, se não provável, que Dante pudesse ter conhecido o Liber Scalae e tirado dele certas imagens e conceitos da escatologia muçulmana”. Pouco antes de sua morte, a filóloga italiana Maria Corti assinalou que, durante sua estada na corte de Alfonso X, o mentor de Dante, Brunetto Latini, conheceu Bonaventura de Siena, um toscano que traduziu o Kitab al Miraj do árabe para o latim. Corti especula que Brunetto pode ter fornecido uma cópia dessa obra a Dante.[18] René Guénon, um convertido sufi e estudioso de Ibn Arabi, rejeitou em O Esoterismo de Dante a teoria de sua influência (direta ou indireta) sobre Dante.[19] A teoria de Palacios de que Dante foi influenciado por Ibn Arabi foi satirizada pelo acadêmico turco Orhan Pamuk em seu romance O Livro Negro.[20]